Time Plus News

Breaking News, Latest News, World News, Headlines and Videos

5 conclusões da conferência inaugural

“Contrate diferente.”

Esse foi o desafio colocado à indústria do entretenimento por Judi Uttal, presidente do Grupo de Apoio a Aspergers de Orange County, na conferência inaugural sobre Autismo no Entretenimento, na manhã de sexta-feira. Como presidente, ela recebeu um público colorido de mais de 100 cineastas neurodivergentes qualificados, prontos e dispostos a tentar entrar no show business.

“Vocês são a nata da cultura”, afirmou Uttal em seus comentários iniciais. “Vocês são pessoas que deveriam estar empregadas.”

Com mais de 120 empregadores presentes no Skirball Cultural Center em Los Angeles, a Autism in Entertainment Conference foi um dos maiores eventos de networking da indústria para criativos neurodivergentes. Ao fornecer os recursos e o apoio necessários, Uttal espera lançar carreiras para toda uma onda de criadores autistas.

“Nossa missão é aumentar o emprego de talentos autistas prontos para trabalhar no espaço de entretenimento”, disse Uttal, dirigindo-se à multidão. “E todos vocês estão prontos para o trabalho.”

Aqui estão cinco conclusões da Conferência Autismo no Entretenimento.

Diversidade no local de trabalho significa neurodiversidade.

O tema da diversidade tem sido um grande ponto de discussão para os players da indústria que buscam trazer novas perspectivas para suas produções. Mas um grupo que muitas vezes fica de fora dessa conversa é o talento neurodivergente.

“Sempre, quando estou escalando ou contratando roteiristas, é preciso ter diversidade”, disse Scott Steindorff, produtor de televisão e cinema ganhador do Emmy. “Mas a neurodiversidade não faz parte disso e precisa fazer parte.”

Steindorff, que tem TDAH e autismo, trabalhou com alguns dos talentos mais prolíficos do entretenimento, incluindo Paul Newman, Anthony Hopkins, Matthew McConaughey e Robert Downey Jr. Em seu último documentário “Understanding Autism”, Steindorff viaja pelo país entrevistando médicos, professores , indivíduos autistas e suas famílias na esperança de substituir os estigmas em torno do autismo pela aceitação.

“É muito importante que (as pessoas) entendam o autismo e as questões do espectro, porque é um grande componente da humanidade. 1 em cada 6 crianças tem autismo, TDAH, dislexia, então é uma porcentagem alta. Então isso não deveria ser representado no cinema e na televisão?” Stiendorff perguntou.

Elaine Hall, treinadora de atuação e fundadora da escola de atuação neurodivergente Miracle Project, ajudou com “Compreendendo o autismo”. Tendo trabalhado com tantos atores autistas e sendo ela mesma autista, ela entende em primeira mão os benefícios de ter uma produção neurodiversa.

“A indústria precisa saber que está perdendo. E esses mitos sobre o que uma pessoa nesse espectro pode fazer ou completar estão de cabeça para baixo”, disse Hall. “Foco, concentração, capacidade de trazer uma ideia nova e fresca, aprimora cada produção.”

Há demanda por vozes autistas no entretenimento.

Não é apenas que a comunidade neurodivergente esteja procurando ingressar na indústria, mas muitos que já fazem parte do show business estão ansiosos para que criativos autistas se juntem às suas fileiras. Gigantes do entretenimento como Nickelodeon, Disney e Cartoon Network já recrutaram dezenas de funcionários autistas. Liz Kelly, que supervisiona a equipe de redação e direção de televisão na Disney, está sempre em busca de “vozes apaixonadas e inclusivas”, o que inclui membros da comunidade do autismo.

“O que fazemos é desenvolver essas vozes. Fornecemos acesso e exposição para essas vozes, para nossos executivos, programas ou produtores”, explicou Kelly. “E nosso objetivo é conseguir que as pessoas se sentem, conseguir empregos e fazê-las começar.”

Kelly trabalhou no drama da ABC “The Good Doctor”, no qual o personagem principal, Dr. Shaun Murphy (Freddie Highmore), é autista. Em 2020, novos episódios da série tiveram mais de 7 milhões de telespectadores.

“Acho que o programa teve tanto sucesso porque o personagem do Dr. Shaun Murphy, sendo alguém com (transtorno do espectro do autismo), é alguém com quem acho que muitos públicos podem realmente se identificar”, disse Kelly. “Quer você tenha autismo ou não, esteja no espectro ou apenas seja diferente de alguma forma.”

Cineastas autistas estão trabalhando em seus programas favoritos.

O trabalho de cineastas neurodivergentes já pode ser visto em alguns dos filmes e programas de televisão mais populares, graças ao trabalho de David Siegel, diretor executivo de Exceptional Minds. Desde 2011, o programa educacional sem fins lucrativos ensina habilidades a indivíduos autistas, como efeitos visuais, animação e design de videogame 3D. Por meio do estúdio de design interno da Exceptional Minds, os graduados do programa tiveram a oportunidade de trabalhar com alguns dos maiores nomes de Hollywood.

“Fizemos um serviço de pós-produção consistente e incrível em nosso estúdio de efeitos visuais para a Marvel. Trabalhamos em mais de 50 filmes e séries de televisão”, explicou Siegel. “Quero dizer, as histórias são incríveis…eles querem acesso ao nosso talento, não apenas porque é bom, mas porque é realmente bom para os negócios.”

Uma das muitas histórias de sucesso de Exceptional Minds é Kate Jorgensen, que após a formatura, passou a ser coordenadora de produção da Nickelodeon. Depois de quatro anos na rede, ela voltou para Exceptional Minds, onde agora supervisiona a produção em seu estúdio de efeitos.

“Hollywood tem um histórico de não ser muito gentil, mas há uma mudança real… a abertura e a inclusão (está se tornando) importantes”, disse Jorgensen. “E eu realmente vi isso através da chegada da próxima geração de acionistas… (eles estavam) tipo, ‘Vou lhe dar essas oportunidades’”.

A indústria pode estar fazendo mais para ajudar.

Se os profissionais do entretenimento desejam acolher vozes autistas na indústria, as coisas precisam mudar. Cian O’Clery, diretor de “Amor no espectro“, tem estado na vanguarda da elevação de vozes neurodivergentes desde o reality show lançado pela primeira vez na Austrália em 2019. Ele disse, embora “não exista uma abordagem que sirva para todos”, mais empresas deveriam estar “abertas para conhecer cada indivíduo em qualquer nível que eles estamos e descobrindo quais podem ser suas necessidades.”

“O que eu gostaria que os neurotípicos soubessem sobre as pessoas neurodivergentes é que todos nós temos uma maneira diferente de pensar”, acrescentou Dani Bowman, uma das estrelas de “Love on the Spectrum”. “Só porque somos peculiares não significa realmente que somos um déficit para a sociedade. Nós apenas temos uma habilidade. Somos um recurso inexplorado quando se trata de trabalho e emprego ou alguém que poderia fazer o seu dia valer a pena.”

Bowman fundou sua empresa de animação Danimation aos 14 anos e desde então tem viajado pelo país falando e ensinando outros indivíduos autistas sobre como iniciar suas carreiras como animadores.

Steve Spitz, outro membro do elenco de “Love on the Spectrum”, disse que apenas poder participar de eventos como a Autism in Entertainment Conference faz uma tremenda diferença e, quando apoiado por seus colegas, ele sente um “conforto especial por não sempre sinto em qualquer outro lugar.

“Muitas vezes me preocupo por não estar familiarizado com outras pessoas, em muitos aspectos, e a tecnologia é um exemplo. Mas quando tenho a oportunidade de expressar o que sinto e, além disso, de me conectar com as pessoas, assim como estamos todos fazendo juntos, aqui mesmo, (isso) é especial”, disse Spitz.

Os criativos autistas estão causando impacto.

O primeiro diretor de cinema, escritor e animador que Jorge Gutiérrez assistiu nos cinemas foi o filme “Pinóquio”, da Disney, de 1940, e embora só tenha sido diagnosticado como autista aos 40 anos, ele sempre se sentiu diferente.

“Durante muito tempo estive obcecado em me tornar um ‘menino de verdade’”, lembra Gutiérrez. “Acho que já naquela época eu sabia que queria ser como todo mundo, queria ser normal. Minha família era super amorosa e diziam: ‘Ele é meio esquisito, só gosta muito de desenhar.’ E foi aí que percebi que não era como as outras crianças.”

No entanto, foi algo diferente que moldaria Gutiérrez como contador de histórias. Gutiérrez criaria filmes de animação e séries de televisão premiados, como “El Tigre: As Aventuras de Manny Rivera” e “O Livro da Vida”. Ele também colaborou com algumas das maiores empresas de tecnologia e entretenimento, incluindo Netflix, Disney, Google e Microsoft.

E embora admita que houve muitos desafios ao longo do caminho, Gutiérrez entende que seu autismo ajudou a alcançar o sucesso no cinema.

“Sei que as pessoas definem estar nesse espectro de maneiras muito diferentes, mas, para mim, realmente acredito que pensamos de forma diferente”, disse Gutiérrez. “E eu acho que pensar diferente é um ponto forte. Na história, todos os grandes saltos aconteceram porque alguém pensou diferente.”

(Na foto: Scott Steindorff, Elaine Hall, Jorge Gutiérrez, Zhara Astra e Judi Uttal)

Source link